Aplica-se às versões: EBv5Gold , EBv6Gold, EBv7Gold, PMv7G, EBv7Gold, PMv8G

Assunto:

Quais os principais recursos do Eberick para obter um detalhamento mais enxuto das armaduras das lajes?

Artigo:

O Eberick conta com uma série de configurações que possibilitam apresentar automaticamente o detalhamento das lajes com uma maior unificação das faixas de armaduras e com uma representação mais otimizada nas plantas de detalhamento. Essas configurações podem ser ajustadas a critério do projetista a fim de obter o detalhamento desejado, de acordo com as suas preferências construtivas. Neste artigo serão apresentadas as configurações referentes à determinação das regiões de armaduras.

Cabe lembrar que uma maior unificação e uniformização das armaduras geralmente resulta em um maior consumo de aço. Sendo assim, cabe ao projetista julgar qual nível de otimização é desejado para os detalhamentos a fim de equilibrar economia X execução.

No artigo complementar Otimização do detalhamento das lajes – Parte II é apresentado as configurações de detalhamento e os coeficientes de escolha automática das armaduras.

Regiões de armaduras

Em “Configurações – Dimensionamento – Lajes – Regiões”, disponível apenas para usuários que possuem o módulo Gold do programa, são apresentadas as configurações utilizadas para a definição das regiões das lajes. Alternando os parâmetros dispostos nessa janela de configurações, o detalhamento das lajes pode ser feito por uma armadura constante, calculada pelos pontos de esforços máximos, ou subdividido em faixas, de acordo com os diagramas existentes, visando a otimização do consumo de aço, ou facilidade construtiva.

Este artigo é complementar ao artigo Lajes com regiões de armaduras.

Janela de regiões de armaduras

Figura 1 – janela de regiões de armaduras

Para melhor exemplificar a influência dessas configurações no detalhamento das armaduras das lajes vamos utilizar o modelo estrutural ilustrado na figura 2:

Planta de forma Figura 2 – Planta de forma

Nesse modelo estrutural tem-se os seguintes detalhamentos iniciais para as armaduras positivas e negativas das lajes:

Detalhamento das lajes

Figura 3 – Detalhamento das lajes

O detalhamento das armaduras de punção não será tratado nesse artigo.

Nesse exemplo, note que há uma grande quantidade de regiões diferentes de armaduras positivas e principalmente negativas, proporcionando uma maior economia em aço, porém uma maior demanda de mão de obra para execução.

Na janela “Regiões”, conforme ilustrada na figura 1, é apresentada a opção “Separar faixas de armaduras” para as “Armaduras das lajes” e para as “Armaduras das continuidades”.  Com essa opção habilitada o Eberick faz a divisão do detalhamento da armadura das lajes em função da diferença dos esforços atuantes, mas apenas em regiões já definidas em função da geometria da laje, ou seja, esse comando possibilita subdividir as regiões das lajes.

As armaduras inferiores são gerenciadas pela configuração “Armaduras das lajes” e as armaduras negativas pela opção “Armaduras das continuidades”. Como critério, essas faixas são separadas de tal modo que se atendam os parâmetros definidos em “Fração do momento máximo para separar faixas” e “Redução mínima nas armaduras para separar faixas”.

Na configuração “Fração do momento máximo para separar faixas” é definida uma porcentagem abaixo do momento máximo a partir da qual será gerada uma nova faixa de armaduras. Sendo geradas novas faixas desde que tenham um comprimento maior do que o comprimento mínimo do trecho definindo para as lajes em “Configurações – Detalhamentos – Lajes” e para as continuidades, na janela “Regiões”. Por exemplo, em uma laje com momento máximo de 2.000 Kgf.m, ao atribuir uma fração de 50 %, o programa tende a criar uma nova faixa de armaduras nas regiões da laje com momentos inferiores a 1.000 Kgf.m (2.000 - 50%), desde que atendido ao comprimento mínimo do trecho.

O parâmetro “Redução mínima nas armaduras para separar faixas”, define a diferença mínima em percentual do volume de aço em um detalhamento sem e com a separação de faixas habilitada. Caso a diferença real seja menor que o valor configurado, o programa não adota a opção de separar faixas. Essa configuração analisa se compensa ou não a adição de novas faixas de armaduras.  Por exemplo, ao atribuir 15 % de redução mínima e obter uma redução no volume de aço de 13% com a separação das faixas, o programa não adota a opção separar faixas.

Voltando ao exemplo de detalhamento apresentado na figura 3 e ajustando os critérios de “Fração do momento máximo para separar faixas” e “Redução mínima nas armaduras para separar faixas”, tanto para as armaduras das lajes quanto as armaduras de continuidade, aumentando o primeiro e reduzindo o segundo, o detalhamento apresentou uma redução na quantidade de faixas adicionais de armaduras, conforme se pode observar na figura 4, em comparação com a figura 3.  

Detalhamento das lajes com a otimização da opção separar faixas

Figura 4 – Detalhamento das lajes com a otimização da opção separar faixas

Observe que o detalhamento continua a apresentar diversas regiões de armaduras. Nesse caso, pode-se empregar a configuração “Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais” presente na janela “Regiões”. Esta opção permite que o usuário interfira nos critérios de agrupamento das regiões de armaduras feitas automaticamente pelo programa.

Configurando valores percentuais baixos para essa configuração (próximos de zero) o programa, mesmo que haja baixas taxas de armadura em uma área da laje, deve fazer o agrupamento das regiões de armadura. Nesse caso, deve-se obter menos regiões de detalhamento, porém haverá um aumento no consumo do aço. Configurando valores percentuais altos (próximos de 100%) o programa tende a separar ao máximo as regiões de armaduras necessárias definidas pelos diagramas de armaduras. Nesse caso, espera-se obter uma maior quantidade de regiões de armaduras e menores consumos de aço.

Realizando um teste em nosso projeto exemplo, detalhando a laje com um percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais de 75%, 50% e 25% respectivamente, pode-se observar uma grande variação na distribuição das regiões, conforme ilustrados:

Otimização do detalhamento das lajes

Figura 5 – Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais em 75%

Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais em 50%

Figura 6 – Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais em 50%

Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais em 25%

Figura 7 – Percentual mínimo de armadura para agrupar regiões adicionais em 25%

Pode-se observar que ao diminuir o percentual mínimo para agrupar as regiões houve uma grande redução na quantidade de regiões na laje, apresentando assim uma maior facilidade de execução e, em contrapartida, um maior consumo de aço. Nesse exemplo, conforme as alterações realizadas foram observadas as seguintes variações na área de aço:

Comparativo do consumo de aço para os detalhamentos apresentados

Tabela 1 – Comparativo do consumo de aço para os detalhamentos apresentados

De maneira geral, recomendamos ajustar as configurações de “Regiões” disponíveis no menu “Configurações – Dimensionamento – Lajes – Regiões” de modo que seja apresentado o detalhamento mais próximo possível ao desejado.

tag(s): Armaduras, Detalhamento, lajes, Regiões