Aplica-se às versões: EBv6, EBv6Gold, EBv7, EBv7Gold, EBv8, EBv8Gold, EBv9

Assunto

Existem diversos fatores que influenciam no tempo de processamento de uma estrutura. Entre estes fatores estão as propriedades do computador (como memória disponível, tipo de processador etc), o sistema operacional e as atividades realizadas juntamente com o processamento, através do uso de outros programas como o Word, Outlook, entre outros, que podem exigir mais ou menos do processador.

Neste artigo definiremos quais fatores internos ao programa Eberick podem influenciar no tempo de processamento de uma estrutura.

Artigo

Além das propriedades do computador, o porte do projeto também influencia diretamente no tempo de processamento de uma estrutura, bem como a presença de alguns elementos e configurações também podem interferir na velocidade desta etapa.

- A quantidade de elementos inclinados, como escadas e principalmente rampas.

A existência do elemento rampa contribui diretamente para o aumento no tempo de processamento da estrutura. Quando o elemento a ser inserido trata-se de uma rampa com laje maciça, existe a possibilidade de se lançar este elemento através do elemento “Escadas”, observando o tipo de engastamento entre os elementos. Esta alternativa pode diminuir o tempo de processamento da estrutura, que é maior para o elemento “Rampa”. Para isso deve-se inserir um lance de escada no local onde seria colocada a rampa, utilizando o comando “Elementos – Escadas – Adicionar lance de escadas”. No diálogo da escada é possível habilitar a opção “Rampa” no item “Tipo”.

- Lajes em níveis intermediários

A existência de lajes em níveis intermediários aumenta exponencialmente o tempo de processamento da estrutura, portanto recomendamos utilizar patamares de escada sempre que possível. Por exemplo, quando houver um lance de escada ligado a um nível intermediário deve-se inserir um patamar de escada e não uma laje neste nível. Desta forma o programa trata a escada como um elemento único. Caso sejam necessárias lajes no nível intermediário, recomendamos que este seja definido como pavimento principal e não como nível intermediário.

- Discretização da laje

Quando a configuração para a discretização do painel de laje está muito pequena, o processamento da estrutura será mais lento. Pode-se acessar esta informação no menu “Configurações – Análise – Painéis de lajes”. O programa possui uma configuração default de 50 cm. Esta discretização será válida apenas para lajes maciças, nas demais lajes a discretização será em função do espaçamento das nervuras.

tempo_de_processamento_1_Eb

Figura 1 – Configurações de Análise – Painéis de lajes

- Análise com plastificação dos apoios

Por se tratar de um processo iterativo, pode aumentar o tempo de processamento da sua estrutura. Nesta análise calcula-se um momento de plastificação para cada barra do modelo. São efetuadas as seguintes iterações:

- Efetua-se a análise linear (ou seja, em cada barra supõe-se o comportamento do trecho linear do diagrama);

- Para cada barra é verificado se o momento fletor negativo é maior que o momento de plastificação;

- Nas barras com momento maior que o limite, é aplicada uma rótula plástica (formulação na qual o momento fletor é mantido constante em uma das extremidades da barra), com momento igual ao de plastificação;

- É efetuada uma nova análise do modelo, obtendo os esforços para a nova configuração;

- Para cada barra, é verificado novamente se o momento fletor negativo é maior que o momento de plastificação (o que pode ocorrer, devido à redistribuição dos esforços);

- É aplicada uma nova rótula plástica, continuando o processo iterativamente até que se obtenha a convergência ou que seja alcançado o número de iterações limite, definido no item "Número máximo de iterações" da configuração Análise, botão "Painéis de lajes".

- Número de combinações de ações

Este fator tem grande influência no esforço computacional necessário para efetuar o processamento de uma estrutura.

Por analisar combinação a combinação, existe um custo computacional maior nesta tarefa, no caso do usuário ter criado novas ações que estejam aplicadas no projeto, este fator é ainda mais importante.

É importante ressaltar que o programa Eberick V9 tem aproximadamente 180 combinações de ações últimas pré-definidas porém são identificadas todas as ações que não possuem carregamentos aplicados ao projeto, eliminando-as e gerando uma nova lista de combinações a ser adotada para análise e dimensionamento da estrutura.
Este tratamento permite uma redução no número de combinações necessárias e é feito para todas as combinações de análise, ou seja, Últimas, Serviço, Fundações, Construção e Incêndio, o que otimiza o tempo computacional necessário para efetuar o processamento de uma estrutura.

- Número de elementos

Quanto maior o número de elementos em um projeto maior é a demanda computacional necessária para efetuar o processamento da estrutura.

- Melhorias nos critérios de dimensionamento efetuados pelo programa

Nas versões atuais do programa, foi melhorado o critério de dimensionamento de pilares, eliminando o conceito de "excentricidades" (inicial, acidental, de 2ª ordem e de fluência) e passando a trabalhar diretamente com os respectivos momentos fletores. Isso pode ser observado no relatório de Cálculo dos pilares e tem grande influência nos resultados apresentados nos pilares contendo mais de uma barra no mesmo lance (nós intermediários ou pilares ligados a paredes estruturais). Antes, como o valor da excentricidade era calculado pela relação entre o maior momento fletor e a menor carga axial ao longo do lance, mesmo que ocorrendo em pontos diferentes, esse valor de excentricidade poderia ser elevado, levando a resultados a favor da segurança. Ao calcular diretamente com os momentos, mesmo combinando os valores extremos, chega-se a resultados bem mais próximos do mínimo necessário.

Já o critério de dimensionamento dos blocos e sapatas, passou por melhorias no tocante à verificação da estabilidade e das pressões atuantes para as sapatas e da verificação do número de estacas para os blocos. Antes, o programa fazia a verificação da sapata ou estacas duas vezes: pela combinação entre os momentos máximos atuantes e a maior carga axial atuante e pela combinação dos momentos máximos com a menor carga axial atuante. Esta segunda verificação era preponderante em muitos casos envolvendo edificações baixas e poderia ficar excessivamente a favor da segurança. Atualmente, o programa faz as verificações para cada combinação de carregamentos definida.

Estas melhorias nos critérios de cálculo de pilares e fundações tendem a resultar em um dimensionamento mais econômico porém a demanda computacional necessária para efetuar o dimensionamento destes elementos passa a ser maior.

tag(s): estrutura, Processamento, tempo