titreservatorios.gif

Aplica-se às versões: EBv5Gold, EBv6, EBv6Gold, EBv7, EBv7Gold, PMv7, PMv7G, PMv8, PMv8G

Assunto

 Como inserir uma cisterna no Eberick?

Artigo

Para efetuar o lançamento de uma cisterna no Eberick, deve-se inicialmente definir os pavimentos em que será lançada. No projeto, deverão ser previstos dois pavimentos para este lançamento: um pavimento superior, em que serão lançadas as paredes e a laje da tampa da cisterna e um pavimento inferior, no qual será lançada a laje de fundo.

Para exemplificar este lançamento tomou-se como exemplo um projeto já concluído, no qual deverá ser inserida uma cisterna enterrada, cujo esquema estrutural pode ser visualizado abaixo no pórtico 3D:

exemplo_cisterna 3D.gifCisterna a ser lançada neste exemplo

A cisterna deste exemplo possui 2,80m x 3,65m, com altura de 3,00m, e será lançada no pavimento Baldrame. Para o lançamento da laje de fundo será criado um pavimento inferior, com altura de 100cm.

corte exemplo.gifEsquema estrutural da edificação em que será lançada a cisterna

Criação do pavimento para o fundo da cisterna e alteração da altura do pavimento Baldrame

Para criar o pavimento em que será lançada a laje de fundo da cisterna, basta clicar com o botão direito do mouse sobre o pavimento Baldrame e selecionar a opção Inserir pavimento – Abaixo.

inserindo fundo da cisterna.gifInserindo pavimento abaixo do baldrame

Na janela que abrirá, o nome do novo pavimento será definido como sendo “Fundo da cisterna” e será adotada para este pavimento uma altura de 100cm.

Para maiores informações sobre a inserção de pavimentos em projetos já definidos sugere-se o artigo Inserindo novos pavimentos após a criação do projeto.  

Após criar o pavimento para o fundo da cisterna, deve-se ainda alterar a altura do pavimento Baldrame, já que este foi lançado inicialmente com uma altura de 80cm e a cisterna terá uma altura de 3,00m. Para isso, basta alterar o item “Altura” do pavimento Baldrame.

pavimentos_sem reducao.gifPavimentos e respectivas alturas do projeto

Para este assunto indica-se o artigo Alterando a altura de um pavimento existente

 Lançando as paredes

 Tendo definido a arquitetura do projeto e tendo previsto a posição da cisterna, pode-se iniciar o lançamento da mesma, o qual deve começar pelas paredes que compõem seu contorno. Para o presente exemplo, tem-se a seguinte arquitetura:

arquitetura do projeto exemplo.gifCroqui do projeto exemplo, com posição da cisterna já definida

Para lançar as paredes, deve-se executar o comando Elementos – Reservatórios – Adicionar parede.  No diálogo, deve-se definir a largura da parede no campo “Largura” e associa-la a um reservatório, por exemplo RES1. Assim, será definida a largura da parede como sendo 15cm, podendo-se clicar, em seguida, no botão botao mais.gif ao lado do campo chamado “Reservatório”, para associar o reservatório e definir o nível de água.

Para este assunto, sugere-se o artigo Definindo o nível d'água no reservatório.

Neste exemplo será considerado um nível de água de 2,7m, que corresponde a altura do reservatório (3,0m) menos 30cm (diferença de nível entre o topo da parede e a lâmina d’água).

esquema da agua Mi.gifCorte esquemático representando o nível de água

Desse modo, seleciona-se a câmara default existente e clica-se no botão botao editar.gif. Na janela “Câmara”, será definida uma elevação de -30cm, para que a altura seja alterada automaticamente, passando a ter 2,70m. Pode-se clicar, então, em “OK” nas janelas que estão abertas para dar início ao lançamento da parede no croqui. Lançada a primeira parede, deve-se repetir estes procedimentos para que sejam efetuados os lançamentos das demais paredes. Ao final desta etapa, teremos o seguinte croqui:

paredes baldrame.gifParedes lançadas no croqui

Antes de copiar as paredes para o pavimento “Fundo da cisterna”, será lançada uma abertura para visita localizada nos cantos do reservatório. Neste exemplo, esta visita será lançada através de uma abertura de 80 x 80cm localizada junto ao canto superior direito da cisterna, cujo contorno será definido por barras sem rigidez.

Para isso, deve-se executar o comando Elementos – Barras – Adicionar barra e lançar as barras nas posições desejadas. Para o presente exemplo, ter-se-á:

paredes com visita.gifAbertura de visita inserida no croqui

O lançamento das barras que definem a abertura para visita da cisterna pode ser feito utilizando-se a ferramenta de captura ponto relativo. Com isso, seleciona-se como ponto de referência o nó no cruzamento das paredes do canto superior direito da cisterna e prossegue-se informando ao programa as coordenadas relativas dos pontos necessários ao lançamento da barra vertical (@-87.5,0) e da barra horizontal (@0,-87.5).

 Feito isso, vamos renumerar as paredes, para que possam ser copiadas para o pavimento inferior. Dessa forma, executa-se o comando Elementos – Reservatórios – Paredes – Renumerar, podendo observar, em seguida, que as paredes são renumeradas. Para copiar as paredes para um outro pavimento, utiliza-se o comando Elementos – Reservatórios – Paredes – Copiar para outros pavimentos. Com isso, deve ser aberta uma janela de seleção que englobe todas as paredes da cisterna, para que todas sejam copiadas simultaneamente. No diálogo, será selecionado como “Destino” o pavimento para onde as paredes serão copiadas, que neste caso é o pavimento “Fundo da cisterna”. Ao concluir o comando, pode-se acessar a janela de projeto e abrir o croqui deste pavimento, para verificar a cópia das paredes neste pavimento:

paredes no fundo.gifCroqui visualizado no pavimento Fundo da cisterna

Lançamento da laje de fundo da cisterna

A laje de fundo do reservatório compreende uma laje apoiada diretamente no solo, cujo lançamento é feito através do comando Elementos – Reservatórios – Adicionar laje. Como a laje já está definida na parte inferior do reservatório RES1, o programa já considera a carga de água, correspondente a 2700kgf/m2, definida através da elevação do nível da água no momento da criação do reservatório. Com isso, deve-se marcar a opção “Laje apoiada no solo”, no grupo Solo, e definir as características do solo de suporte, que são provenientes de estudos geotécnicos, variando para cada obra. Para o exemplo deste artigo, será adotado para o coeficiente de recalque vertical o valor de 2000tf/m3 e para o coeficiente de deslocamento vertical o valor de 0.01tf/m3. Feitas estas definições, é lançada a laje.

Lançamento da laje da tampa

O lançamento da laje da tampa do reservatório segue os mesmos procedimentos realizados anteriormente para o lançamento da laje de fundo. Assim, estando com o croqui do pavimento Baldrame aberto, será executado o comando Elementos – Reservatórios – Adicionar laje. Para esta laje, teremos os seguintes dados:

parametros da laje tampa.gifDados de lançamento da laje da tampa da cisterna

Definindo vínculos

Os vínculos adotados para reservatórios no Eberick podem ser do tipo parede x parede, parede x laje e laje x laje, conforme a conveniência de cada estrutura.

Para o presente exemplo, as ligações “parede x parede” e “parede x laje do fundo” serão engastadas, enquanto que a ligação “parede x laje de tampa” será rotulada. No Eberick, tanto as paredes quanto as lajes apoiadas no solo, por default, já estão engastadas, por isso não será necessário engastar a laje de fundo da cisterna às paredes. A laje de tampa, também por default, já está liberada, assim também não será necessário alterar sua vinculação. 

Inserindo a carga de empuxo

Para o caso de cisternas (reservatórios enterrados), além da carga de água deve ser considerada também uma carga proveniente do empuxo que o solo exerce no entorno da mesma. A fim de considerar este empuxo, será selecionada uma das paredes lançadas anteriormente e inseridas as informações referentes a esta carga. Para isso, clica-se no botão “Lançar” ao lado do item “Empuxo”. No diálogo, é possível configurar dados do empuxo e do solo, além da existência de outras cargas distribuídas e concentradas atuantes sobre o solo (sendo estas últimas definidas na aba “Cargas”).

Na aba “Empuxo”, define-se a geometria do empuxo, as características do solo e a consideração ou não de um nível de água (água do lençol freático). A elevação do solo consiste na diferença entre o topo da camada de solo e o nível do pavimento. Assim, caso seja lançada uma elevação de 0cm, o programa interpretará que existe solo ao longo de toda a altura da parede compreendida entre o pavimento de topo e o pavimento imediatamente inferior.

esquema da cisterna pronta.gifCorte esquemático representando as alturas da água e do solo consideradas no exemplo

Para o exemplo, consideraremos a existência do solo ao longo de todo o pavimento (a elevação será, portanto, igual a zero).

Caso seja necessário considerar um nível de água no solo, deve-se marcar o item “Presença de NA” e definir a elevação da água (altura de água a ser considerada) e o peso específico submerso (peso específico do solo na presença de água).

Realizadas as devidas definições, pode-se fechar o diálogo e copiar estes dados para os demais elementos da cisterna. Para isso, executa-se o comando Elementos – Copiar dados. O elemento de referência deverá ser a parede em que os dados foram inseridos anteriormente e os elementos de destino serão todas as demais paredes já lançadas.

Finalizados estes procedimentos, através do pórtico 3D pode-se visualizar a cisterna lançada, conforme ilustrado na figura.

cisterna 3d.gifPórtico 3D

tag(s): Lançamento, Reservatório